"Como dois e dois são quatro/Sei que a vida vale a pena/Embora o pão seja caro/E a liberdade pequena" (Ferreira Gullar)
Textos

     JOSÉ MENDES, RENOVADOR DA MÚSICA GAÚCHA

     Quando decidi que queria escrever um artigo sobre José Mendes (1939-1974), fui ouvir suas músicas, reler "Para, Pedro!", de Ajadil Costa (Ed. Alcance, 2002), e conversar com alguns músicos sobre sua obra. Muitos daqueles com quem falei não esconderam verdadeira reverência e predileção por sua obra, independentemente de suas temáticas e linhas musicais. José Mendes é um mestre de gerações de artistas, que o cultuam sem pejo, cada um a seu modo e tributo.
     O legado de José Mendes é renovador. Parte da afluência de músicos intuitivos populares e de outros mais rebuscados (mas pouco conhecidos) para chegar à fórmula que lhe permitiu aliar melodias inovadoras e de fácil assimilação, com letras bem elaboradas, de refrões amigáveis aos ouvidos do povo. Não por acaso, suas parcerias envolviam nomes consagrados ou em ascensão na música rio-grandense, como Aírton Pimentel, Cenair Maicá, Jayme Caetano Braun, Luiz Menezes e Lauro Rodrigues. Temas como o "Roubo da Gaita Velha" seriam precursores, assim como o "Romance do Pala Velho", de Noel Guarany, falando de objetos queridos furtados na farra e nunca mais reavidos pelos donos desolados.
     Uma outra faceta pioneira de José Mendes viria por meio da sétima arte. Seus filmes seriam vistos e revistos por milhões de espectadores. Certamente, quem tem uma noção de cinema deve imaginar o que seria filmar nos pagos naquela época, de escassos recursos técnicos e financeiros. Escassez de gente não, que a gauchada sempre deu conta do recado, inclusive importando as pessoas certas, como Grande Otelo.
     No ano do centenário dos "Contos Gauchescos", de Simões Lopes Neto, convém lembrar a relação de confiança com seu benfeitor, Irineu Nery da Luz, à moda do conto "Trezentas Onças". Quando voltou para quitar o empréstimo que custeou seu primeiro disco, o credor não quis receber. Guardou a promissória como relíquia de aposta bem-sucedida num grande talento. A obra do autor de "Para, Pedro!" vive no imaginário dos seus fãs, no trabalho de sua esposa, Maria Izabel Mendes, e de seu filho, José Mendes Júnior, que projeta seu nome e sua arte. Seu canto é a marca de um Rio Grande urbano e rural que se equilibra entre um passado telúrico e um futuro no qual as raízes nos fazem distintos na hora de dar um "oh de casa" para o mundo.

Landro Oviedo


ANO 117 Nº 297 - PORTO ALEGRE, SEGUNDA-FEIRA, 23 DE JULHO DE 2012
Jornal Correio do Povo, Porto Alegre-RS


 

JoseMendes.jpg


José Mendes, símbolo da música popular do RS e do Brasil

Landro Oviedo
Enviado por Landro Oviedo em 23/07/2012
Alterado em 23/07/2012


Comentários


"A VIDA É BELA. QUE AS FUTURAS GERAÇÕES A LIMPEM DE TODO MAL, DE TODA OPRESSÃO E VIOLÊNCIA E A DESFRUTEM PLENAMENTE." (LEON TRÓTSKI)