"Como dois e dois são quatro/Sei que a vida vale a pena/Embora o pão seja caro/E a liberdade pequena" (Ferreira Gullar)
Meu Diário
21/06/2021 00h13
LISTA CRESCENTE DAS TOLICES E FALCATRUAS DO GOVERNO BOLSONARO III

690 – NAZISTA AMIGA.  Jair Bolsonaro teve um encontro cheio de mesuras com a deputada alemã Beatrix von Storch no Palácio do Planalto. Neta de um ministro de Adolf Hitler, ela faz parte do partido Alternativa para a Alemanha, sigla reconhecida por difundir ideias neonazistas. Ao se alinhar com os genocidas do holocausto judeu, Bolsonaro mostra seu desapreço pela vida dos outros, como evidenciou durante a pandemia no país.

689 – PERSEGUIÇÃO. O ministro Kassio Nunes solicitou à Procuradoria-Geral da República (aquela do Aras do Bolsonaro) apuração de supostos crimes cometidos pelo professor Conrado Hübner, da USP, em artigo no qual critica a decisão do magistrado bolsonarista de liberar o funcionamento de igrejas durante a pandemia, decisão que foi revertida pelo plenário do STF. Esses bolsonaristas não guardam nenhuma coerência. Quando realizam ameaças, como o deputado federal Daniel Silveira, consideram livre expressão. Quando são criticados por opinião contrária, consideram crimes. Gente oportunista e leviana.

688 – SUBEMPREGO. O ministro Paulo Guedes defende o fim dos encargos trabalhistas, que, para ele, comprometem a criação de empregos. Ora, num país com alta concentração de renda, querer acusar os pobres pelo desemprego é de uma crueldade inaceitável. O governo de Jair Bolsonaro já aprovou uma reforma que praticamente inviabiliza a aposentadoria e agora quer criar subempregos para aumentar os lucros da classe patronal. A direita está fazendo o trabalho sujo a serviço de uma minoria de ricos que detém o poder de mando.

687 – MÃE DO CENTRÃO. Jair Bolsonaro está nomeando o senador Ciro Nogueira (Progressistas-PI) para a Casa Civil. Com isso, sua vaga ficará para... sua mãe, Eliane Nogueira. Isso é o Centrão, isso é Jair Bolsonaro. Fica tudo em família. 

686 – AMEAÇA. O ministro da da Defesa, Walter Braga Netto, mandou um recado ao presidente da Câmara, Arthur Lira, condicionando a realização das eleições de 2022 à aprovação do voto impresso, conforme reportagem do jornal O Estado de S. Paulo. Isso é inaceitável e mostra o caráter golpista do governo de Jair Bolsonaro. Já vivemos numa democracia meramente formal e não se pode aceitar que militares que quebraram o país em tempos idos venham agora a dar pitaco na política do país. Por que não te calas, Braga Netto?

685 – REFORMA MINISTERIAL. No templo da religião positivista, sincretismo insólito com sociologia e política que só teve terreno fértil no RS, há uma inscrição que diz que os vivos são cada vez mais governados pelos mortos. Discutível, embora seja evidente o peso da tradição no passado, inclusive na ciência. Todavia, no caso do zumbi Bolsonaro, ele está cada vez mais sendo governado pelos mais vivos do Centrão, o mesmo que seu chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República disse que se "gritar pega Centrão / Não fica um, meu irmão". Gritaram "pega Centrão!" e ele pegou o presidente numa pseudorreforma ministerial. Está refém desse grupo fisiológico, o que não é de se estranhar. Afinal, do Centrão veio e ao Centrão retorna.

684 – PRONUNCIAMENTO. O ministro da Educação, Milton Ribeiro, realizou um pronunciamento em que defende a volta imediata das aulas nas escolas, aduzindo que "a vacinação de toda a comunidade escolar não pode ser condição para a retomada das aulas". Nenhuma novidade. O governo de Jair Bolsonaro sempre quis abrir tudo, apostando na imunidade de rebanho, sem vacina. E continua investindo criminosamente contra a imunização.

683 – FUNDÃO POR TRÉGUA. A bancada bolsonarista no Congresso, incentivada por Jair Bolsonaro e seus filhos Flávio Bolsonaro e Eduardo Bolsonaro, houve por fim realizar uma manobra arriscada. Para evitar que a CPI da Covid continuasse funcionando, eles votaram pela LDO com o fundão partidário de R$ 5,7 bilhões. Enquanto a LDO não fosse votada, não haveria o recesso e a interrupção dos trabalhos da CPI. Votaram conscientemente com o projeto de lei sabendo que havia o fundão para barrar a CPI por 17 dias. E depois alegaram que não sabiam o que estavam votando. Ficou feio. Bolsonaro afirmou que vai vetar esse fundo indecente. Nas eleições passadas, ele prometeu a mesma coisa e não o fez. Se vetar, não vai impedir o desgaste de sua base aliada, que mentiu para a população. Enquanto isso, o vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos, ficou buzina por ser acusado pela bancada governista de ter encaminhado por conta a aprovação da emenda. Vem rolo por aí.

682 – FEZ BEICINHO. Jair Bolsonaro vem variando suas declarações sobre eleições. Há poucos dias, afirmou que, se não houver o tal do voto impresso, não haverá eleições em 2022. Vendo sua reputação e votos decairem, agora diz que poderá não disputar as eleições. O desespero leva a opiniões oscilantes.

681 – PELO TRIPLO. Na CPI da Covid, o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou, com todas as letras e sons, que nunca participava em negociações de vacinas, que isso era feito por um escalão inferior do Ministério da Saúde. Nada como um vídeo depois do outro. Agora, apareceu uma gravação em que ele aparece negociando a Coronavac, por meio de uma intermediaria de Santa Catarina, pelo triplo do valor. Ou seja, tendo propina, tendo superfaturamento, a vacina é bem-vinda. A do Butantã, oferecida por dez dólares, foi recusada. A mesma vacina, oferecida por uma atravessadora, a 28 dólares, foi aceita. Pode isso, pessoas razoáveis?

680 – CEREJA. Eis a cereja do pretendido cocô do presidente: a bancada bolsonarista votou a favor do aumento do fundo partidário de R$ 2 bilhões para R$ 5,7 bilhões. E alguns parlamentares governistas têm seus apoiadores como tolos: alegam que votaram enganados. Interessante é que o engano é sempre contra os cofres públicos, nunca a favor.

679 – SIGILO ESTRANHO. O governo federal decretou sigilo de cem anos no caso do médico gaúcho Victor Sorrentino em relação aos documentos do caso. Muito estranho determinar sigilo em grau máximo no caso de uma pessoa que infringiu as leis daquele país ao tratar de forma ignominiosa uma cidadã egípcia. Que privilégio para um mau brasileiro machista! O que não deve ter de negociata nisso, hein?

678 – VACINA RUSSA. De acordo com um relatório do Departamento de Saúde e Serviços Humanos do governo dos Estados Unidos, por imposição de Donald Trump, o órgão pressionou para que Jair Bolsonaro não adquirisse a vacina russa Sputnik V em 2020. O serviçal, claro, concordou e o resultado de mais essa omissão está aí, nas mais 530 mil mortes que enlutam o Brasil de norte a sul.

677 – DECLARAÇÃO. O comandante da Aeronáutica, tenente-brigadeiro do ar Carlos de Almeida Baptista Junior, fez uma declaração contra o que seria uma crítica do presidente da CPI da Covid, Omar Aziz, contra o envolvimento de militares em corrupção, além de defender o general Eduardo Pazuello, da ativa e péssimo ministro da saúde no tempo em que exerceu o cargo. Pois bem, o aeronauta de farda parece estar nas nuvens mesmo, porque a grande maioria que assistiu ao que o senador falou percebeu que ele falava de uma minoria. Na verdade, esse tom corporativo tem o objetivo de intimidar para que as investigações não cheguem aos oficiais envolvidos em corrupção nem ao principal mandante, que é Jair Bolsonaro. 

676 – MANIPULAÇÃO. O governo federal tomou a iniciativa de excluir o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) na aferição do desmatamento, colocando essa atribuição para o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), ligado ao Ministério da Agricultura, o do agronegócio, como forma de manipular os dados da devastação ambiental. A maquiagem de dados é um desrespeito ao meio ambiente e serve para dissimular crimes de contrabando de produtos florestais. 

675 – PREVARICAÇÃO. O "jurista" Jair Bolsonaro entende que não pode ser acusado de prevaricação, que é deixar de fazer aquilo a que se está obrigado de ofício. Essa tese vem bem a calhar no momento em que sua tese sobre o que teria feito a partir das denúncias dos irmãos Mirandas sobre a Covaxin está desmoronando. Aliás, teses, porque a cada momento ele muda a versão.

674 – SEM PARTIDO. Jair Bolsonaro tentou criar o partido Aliança pelo Brasil e fracassou por falta de adesões. Depois, negociou com diversos partidos sua filiação para disputar a presidência em 2022, como o PP de Ciro Nogueira, o PL de Valdemar Costa Neto, o PTB de Roberto Jefferson e o nanico Patriota, que o rechaçou por uma oposição interna. Na cabeça do Capitão Cloroquina, os partidos iriam brigar para acolhê-lo. Diante de sua crescente impopularidade, nada disso está acontecendo. Os bolsonaristas estão cada vez mais rechaçados pela população, que está vendo o caos em que jogaram o país. Um caso ilustrativo é o da deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), aquela do turismo remunerado na Espanha. O pai, irmão e cunhada de Carla Zambelli perderam as eleições em SP em 2020. Sem falar que o afetado Carlos Bolsonaro teve uma queda na votação no RJ quando esperava aumento. De 106.657 votos, mais votado, caiu para 71 mil em 2020. As bolhas de Bolsonaro parecem encolher a cada dia.

673 – IMPEDIMENTO. Já indicando a queda de popularidade de Jair Bolsonaro, o instituto Datafolha realizou pesquisa que mostra que, pela primeira vez, desde abril de 2020, a maioria dos brasileiros é indubitavelmente a favor do impeachment do presidente. O levantamento evidencia que 54% são favoráveis à medida, 42% são contrários e 4% não sabem ou não quiseram opinar. Resta agora ir para as ruas e pressionar os líderes da oposição para que assumam essa bandeira, uma vez que muitos preferem que Bolsonaro sangre para derrotá-lo nas urnas, plano que pode naufragar por diversos motivos. Não se pode ter nenhuma condescendência com o Capitão Cloroquina. A memória dos mais de 530 mil mortos não comporta essa vacilação.

672 – GURU. O defensor público Clóvis B. Neto comentou em seu Twitter: "Quero saber como Olavo de Carvalho conseguiu um leito do SUS para tratamento especializado com essa velocidade, estando fora do país? Nesse momento, tenho dezenas de liminares descumpridas determinando internações de pacientes graves, sem a menor previsão de vaga". Gente como esse astrólogo, guru do Jair Bolsonaro, adora criticar o sistema público, mas não hesita em usufruir dos recursos do erário quando lhe é conveniente. É preciso investigar esse caso de fura-fila.

671 – ELEIÇÕES. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) emitiram nota em defesa do sistema eleitoral brasileiro, totalmente informatizado. À medida que perde apoio na população, como indicam todas as pesquisas sérias, Jair Bolsonaro lança acusações sem provas contra os órgãos de apuração. O Brasil é internacionalmente reconhecido pela lisura do seu processo eleitoral. Instado a comprovar o que fala, Bolsonaro nada apresenta. As eleições vão ocorrer sim e os golpistas serão derrotados. 

670 – COZINHEIRO 'INFIEL'. O cozinheiro Eduardo Lazzari, do Hotel Spa do Vinho, de Bento Gonçalves, assim que soube que teria que cozinhar para Bolsonaro, escreveu nas redes sociais: “Vou ter que cozinhar para este diabo ainda, que raiva”. Foi preso pela Polícia Federal e teve que dar explicações. Eu, no lugar dele, também ficaria inconformado. Além de pagar a picanha de R$ 1.800 que ele come, leite condensado e outras coisas superfaturadas, ainda ter que cozinhar para esse sacripanta é demais. Sem falar que ele não se orgulha do que ingere, mas do que caga. Chef Eduardo, minha solidariedade!

669 – CAGÃO. Em vez de uma resposta à CPI da Covid sobre o envolvimento do líder do governo Ricardo Barros (PP-PR) nas negociatas com vacinas, deputado cuja mulher ganhou um cargo milionário em Itaipu para uma reunião bimestral, Jair Bolsonaro afirmou que está "cagando" para a CPI. Ora, quem caga é literal e metaforicamente um cagão.

668 – PGR BLINDADO. Os senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Fabiano Contarato (Rede-ES) entraram com um pedido no Conselho Superior do Ministério Público para que o CSMP investigue a conduta omissa do procurador-geral da República Augusto Aras na pandemia. Nomeado por Jair Bolsonaro, ele fez do órgão um puxadinho do Palácio do Planalto e disse amém a todos os malfeitos do presidente. Aliado de Aras, o vice-procurador da República, Humberto Jacques de Medeiros, travou o procedimento e deu um parecer secreto. Diante disso, o subprocurador José Bonifácio entrou com um mandado de segurança na Justiça do DF para que o referido parecer seja tornado público e anulado. O Judiciário já intimou Humberto Jacques para que preste esclarecimentos. Aras e Bolsonaro estão juntos na busca pela impunidade.

667 – SEM CONDIÇÕES. A servidora Francieli Fantinato, ex-coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde, afirmou na CPI da Covid que se afastou do governo porque não havia a compra de vacinas nem campanhas de esclarecimento à população sobre as medidas sanitárias. Confirmou o que já se sabia, mas é importante que venha de alguém que fez parte da equipe do Ministério da Saúde. O boicote de Jair Bolsonaro ao enfrentamento da pandemia surtiu efeitos danosos e letais.

666 – QUATRO MILHÕES. O mundo alcançou, nesta quarta-feira, 7.7.2021, o montante de 4 milhões de mortos na pandemia. Deste total, o Brasil tem 528 mil óbitos, um número que até sem maiores cálculos chama a atenção. O país, tendo apenas 2,7% da população mundial, apresentou 13,2% das mortes totalizadas oficialmente. Qual parte dessa tragédia se deve ao boicote de Jair Bolsonaro à ciência, às medidas sanitárias e às vacinas?

665 – NOTA DO EXÉRCITO. O comando do Exército lançou nota criticando falas do senador Omar Aziz (PSD-AM), que aventou conivência da instituição com atos de corrupção. Aziz até já se retratou, mas o que fica é que não basta lançar notas defendendo uma suposta idoneidade, uma vez que as Forças Armadas se imiscuíram de um jeito tal no governo federal que já são cúmplices dos malfeitos, como a inútil produção de cloroquina e a proteção indecente ao ex-ministro Eduardo Pazuello. Tem que mostrar que não está em mancomunação. Quem se mostra servil para corruptos está sujeito a ser igualmente questionado.

664 – POSTAGEM ACINTOSA. Em março, o ministro Onix Lorenzoni, da Secretaria-Geral da Presidência, postou um twitter em que elogiava um tratamento de nebulização com hidroxicloroquina realizado pela médica Michelle Chechter, ginecologista, ginecologista, na paciente Jucicleia de Sousa Lira, técnica em radiologia, sem autorização da família, em Manaus. O tratamento foi realizado sem a anuência da família e a médica induzia a enferma, em vídeo, a dizer que estava bem. Alguns dias depois, ela faleceu. Sob influência de Bolsonaro, essa gente não se contém em ser negligente. Quer mais, quer realizar procedimentos ineficazes para testar suas teorias sem embasamento científico com pessoas pobres que são transformadas em cobaias. E muitas, na sua agonia, foram imitadas em live pelo presidente em clima de afetação. Empatia é uma palavra que não existe no reduzido vocabulário do Capitão Cloroquina.

663 – VACINA VIRTUAL. A história parece roteiro de governo trash. Um cabo PM e um reverendo sem nenhum mandato oficial oferecem o fabuloso montante de 400 milhões de vacinas que não existem de uma empresa de material de construção que não tem nenhuma dose e são recebidos pelo alto escalão do Ministério da Saúde numa negociação superfaturada em que a única coisa verdadeira é o R$ 1,6 bilhão que o governo de Jair Bolsonaro empenhou (destinou no orçamento) e que só não foi pago porque se descobriu antes a falcatrua. Parece até golpe do WhatsApp. O serviço de desinteligência do governo federal tem tudo para ser uma referência no mundo.

662 – RACHADONAS. A ex-cunhada de Jair Bolsonaro, a fisiculturista Andrea Siqueira Valle, revelou em áudios que ele manteve um esquema de rachadinhas em seu gabinete como deputado federal (entre 1991 e 2018). Ela (no gabinete de Flávio Bolsonaro) e seu irmão André (no gabinete de Messias) foram funcionários fantasmas e tinham que devolver a maior parte dos salários recebidos. Inclusive esse irmão foi despedido porque não entregava todo o valor combinado, o que irritou Bolsonaro. Quem fazia a coleta era um tio dela, Guilherme Hudson, coronel reformado e ex-colega do presidente na Aman (Academia Militar das Agulhas Negras). A família organizada encontrou no peculato um modo criminoso de aumentar seu patrimônio.

661 – MÃO DE VACA. Conta a deputada federal Joice Hasselman que estava estimulando um projeto social numa região muito pobre de São Paulo e que levou a iniciativa para conhecimento e apoio de Jair Bolsonaro. Para não despertar ciúmes nas hostes bolsonaristas, sugeriu que o programa fosse capitaneado pela primeira-dama, Michelle Bolsonaro. Foi aí que Bolsonaro negou a adesão afirmando que, como essa função não tem orçamento, ele teria que pagar as passagens do bolso dele. Quer dizer, comer picanha privada de R$ 1.800 à custa do erário pode, mas colocar alguma quantia do seu supersalário em prol dos mais necessitados não pode. Eis como age um gigolô dos cofres públicos. 

660 – COMPLICOU. A ministra Rosa Weber, do STF, autorizou abertura de inquérito para que a Procuradoria-Geral da República investigue Jair Bolsonaro por prevaricação no caso da vacina Covaxin. Ele foi alertado pelos irmãos Mirandas e nada fez. Aliás, primeiro Bolsonaro falou que os Mirandas nada lhe falaram. Quando essa versão se tornou inverossímel, ele alegou que avisou o então quase ex-ministro Eduardo Pazuello. É ruim quando os fatos estragam as combinações. Essa é aquela vacina mais cara pela qual Bolsonaro se tomou de repentino interesse depois de recusar negociações com laboratórios idôneos e reconhecidos.

659 – INTERESSE ESCUSO. O governo federal recusou as ofertas de vacinas que vieram direto das empresas com laboratórios, como no caso da Pfizer e da Coronavac, e se empenhou para comprar daquelas que tinham atravessadores. A tentativa de propina falou mais alto. No caso da Covaxin, Jair Bolsonaro chegou a enviar uma carta para o governo indiano, além de enviar uma comitiva para aquele país. Enquanto milhares de pessoas morriam no país, o presidente se empenhava em negociações escusas e duvidosas.

658 – POSTAGEM APAGADA. Senador das rachadinhas (entenda-se peculato), Flávio Bolsonaro apagou postagem no Twitter, dia 27.2.21, comemorando o contrato da Covaxin, a vacina superfaturada. Ele não só comemorou como intermediou reunião com o dono da Precisa Medicamentos, empresa atravessadora da venda da vacina indiana, com o presidente do BNDES, Gustavo Montezano. Tudo indica que estava querendo financiar com recursos públicos o laboratório que ofertava a vacina mais cara do mercado. Sobre apagar postagens, depois da CPI, os bolsonaristas deram para apagar áudios e vídeos, como fez o jornalista Alexandre Garcia e a deputada federal Carla Zambelli, aquela do turismo remunerado na Espanha. Sobra cinismo, falta personalidade. 

657 –  MANOBRA DESMASCARADA. O policial militar de Minas Gerais Luiz Paulo Dominguetti, que se diz representante da empresa Davati Medical Supply, confirmou a exigência da propina de um dólar por cada dose, exigida pelo servidor Roberto Dias. O negócio não andou porque a empresa não deu o sinal verde. Talvez culpando o deputado bolsonarista Luis Miranda (DEM-DF) pelo não fechamento do negócio, o depoente Dominguetti apresentou um áudio enviado pelo representante da Davati no Brasil em que o denunciante Luis Miranda da corrupção na compra da Covaxin estaria envolvido com negociações de vacinas. Todavia, o áudio em nenhum momento dá escopo à tese, já que é do ano passado e trata da negociação de outros itens. A tentativa do governo federal de melar as denúncias da Covaxin não deu certo. É difícil, para quem tem um passado sujo pela frente, editar uma linha do tempo.

656 –  O DÓLAR COBRADO. Outra denúncia de corrupção abala a republiqueta da família organizada: um representante da empresa Davati Medical Supply afirmou que proposta de propina de um dólar por vacina saiu no Ministério da Saúde. De acordo com Luiz Paulo Dominguetti Pereira, representante da empresa, o diretor de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias, cobrou a propina em nome do governo em um jantar em restaurante do Brasília Shopping em 25 de fevereiro. Em vez de explicar, Jair Bolsonaro ataca a CPI da Covid. Suas vociferações não encontram respaldo nos fatos.

655 – EMPENHO. Geralmente, Jair Bolsonaro é acusado da falta de empenho pelas vacinas. No caso da Covaxin, não cabe essa imputação. O governo federal fez um empenho bilionário para pagamento, no total de R$ 1.6 bilhão. Essa reserva de recursos mostra Bolsonaro realmente muito empenhado na negociação.

654 – ENERGIA ELÉTRICA. O aumento da conta de luz é falta de investimentos em energias limpas, mas, também, é fruto do desmatamento recorde sob o governo de Jair Bolsonaro. A devastação da Amazônia, segundo especialistas, altera a estação das chuvas e também seu ciclo e lugares de precipitação, causando enchentes em algumas áreas e secas em outras, notadamente onde se situam as reservas das hidrelétricas. Evidentemente que esse problema não é de hoje, mas, neste governo, nada, absolutamente nada foi feito para resolver a iminência de apagões. Pelo contrário, a devastação dos ecossistemas está cobrando seu preço. E como bandeira vermelha.

653 – FALAS. Do vereador bolsonarista Jairinho ao pai do menino Henry (Leniel Borel), morto por ele: "Vire a página e faça outro filho". De Jair Bolsonaro sobre milhares de mortes na pandemia: "E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Sou Messias, mas não faço milagre". Qualquer semelhança na indiferença e na falta de empatia não é mera coincidência.

652 – MINISTÉRIOS. Jair Bolsonaro não é original nem nas desculpas. Diante das evidências de uma corrupção de monta no caso da vacina Covaxin, ele alega que não pode saber tudo que ocorre nos ministérios. Ora, ele tem a obrigação de saber pelo cargo que ocupa. E pelo jeito sabia muito, já que se empenhou pessoalmente pela realização do negócio de R$ 1,6 bilhão.

651 – CANCELAMENTOS. Sérgio Camargo, o negro com alma de direita que preside a Fundação Palmares, excluiu várias personalidades da lista de homenageados da entidade, como Martinho da Vila e Leci Brandão, além da exclusão de livros e obras de referência, como textos de Machado de Assis. Quando um negro vira capitão do mato, é preciso mostrar a ele que a luta dos negros e de outros segmentos oprimidos, como os povos indígenas, vai continuar contra toda forma de intolerância. A propósito, sua postura me faz lembrar de uma máxima da minha terra: "Quer aparecer? Coloca uma melancia no pescoço". A hora desse meliante servil também vai chegar.

650 – IR MANIPULADO. Com objetivo eleitoral, Jair Bolsonaro resolveu finalmente reajustar a tabela do IR. Agora passam a ser isentos os que ganham até R$ 2.500. Sem esquecer que ele havia prometido isenção para quem recebe até cinco salários mínimos (R$ 5.500) e nunca cumpriu. A tabela não é reajustada desde 2015 e, se fosse atualizada pela inflação, deveria estar hoje com isenção para quem ganha até R$ 4.022,89. O IR no Brasil é um tributo desproporcional e os que ganham menos pagam mais, uma vez que as faixas de incidência têm percentuais iguais para todos. Sem esquecer que mesmo os de baixa renda pagam impostos elevados no consumo. A injustiça fiscal, que não é apenas deste governo, continua escancarada e servindo para os ricos ficarem mais ricos e os pobres cada vez mais pobres. 

649 – AVICO. Surgiu em Porto Alegre, que costuma ter um papel de vanguarda em várias questões humanitárias e sociais, uma associação para defender as vítimas e familiares da Covid-19. Trata-se da Associação das Vítimas da Covid-19 (Avico) e que terá o papel de representar os interesses de quem foi alvo da doença, tanto judicial como extrajudicialmente. Uma das medidas iniciais foi encaminhar uma análise da possível conduta criminosa de Jair Bolsonaro na pandemia à Procuradoria-Geral da República (PGR). Sem dúvida, essa iniciativa é bem-vinda e deverá ser replicada por todo o país. É preciso apurar todas as responsabilidades nesta tragédia que ceifou milhares de vidas e deixou muita gente com sequelas físicas e psicológicas. Avante, Avico!

648 – SEGUIDOR. O deputado Luis Miranda (Dem-DF) é um contumaz apoiador de Jair Bolsonaro, tendo apoiado o governo em 99% dos casos. E foi com o instinto de apoiador que ele foi levar ao presidente as denúncias de superfaturamento da vacina Covaxin no dia 20 de março. Bolsonaro não deu a mínima, seja por omissão, seja porque estivesse envolvido na negociata. Foi assim que o parlamentar, vendo seu irmão, que ocupava um cargo de destaque no Ministério da Saúde, sofrer pressão, resolveu levar o caso adiante. Bolsonaro ouviu e não fez nada, o que é próprio dos prevaricadores e corruptos. Diante da repercussão, depois de uma primeira versão sem norte apresentada por Onix Lorenzoni, resolveu afirmar que avisou o demissionário ministro Eduardo Pazuello, que nada fez. Claro que nada fez, pois já estava de saída, nunca foi avisado e vai de novo servir de bode expiatório. Bota na conta do Pazuello que ele aguenta. 

647 – STAND UP CONSTRANGEDOR. Vou fazer uma campanha de arrecadação de vergonha para o ministro Onix Lorenzoni, já que a dele já prescreveu há muito tempo. O que foi aquela cena forçada dele querendo se mostrar indignado perante as denúncias de corrupção na compra da vacina Covaxin? Armou como se estivesse mostrando um documento verdadeiro e um falso, juntado pelo servidor Luis Ricardo Miranda. Na verdade, a empresa Precisa, atravessadora na negociação, já confirmou a veracidade de ambos os documentos e afirmou que já havia emitido três deles. Desesperados, os bolsonaristas montaram às pressas uma versão de denunciação caluniosa que não resiste à menor análise séria. Foi uma apresentação indecorosa por parte do ministro, sem sequer dar espaço para a imprensa perguntar. É preciso não ter espinha moral para se submeter a um papel de mandalete como fez Sua Excelência. A ascensão de Osmar Terra, Bibo Nunes, Luis Carlos Heinze e o próprio Onix Lorenzoni mostram que nem tudo está perdido porque sempre pode piorar mais.

646 – INDÍGENAS. A CCJ da Câmara votou pela continuidade de tramitação de um projeto de lei que agride os direitos dos povos indígenas às suas terras. O PL, que conta com o apoio do governo de Jair Bolsonaro, fixa que os índios precisarão provar a posse de suas terras após a Constituição de 1988 e que elas poderão ser usadas para exploração econômica. Trata-se de mais uma articulação de grileiros, madeireiros, mineiros e ruralistas para se apropriar de áreas que não lhes pertence. Índios e negros continuam a ser alvo políticas genocidas de governantes que fixam o extermínio como meta oficial. As alegações em favor dessa proposta são trágicas e só por isso não podem ser consideradas como risíveis.

645 – MEIO AMBIENTE. A troca no Ministério do Meio Ambiente, promovida por Bolsonaro, com a substituição de Ricardo Salles pelo ruralista Joaquim Álvaro Pereira Leite, mostra que agora assumiu de vez o boiadeiro para tentar passar a boiada.

644 – VACINA COM ATRAVESSADOR. É sobejamente conhecido o boicote de Jair Bolsonaro às vacinas. É por isso que causa espanto sua intervenção para que o Ministério da Saúde adquirisse, sem a aprovação da Anvisa, a vacina Covaxin por meio de uma empresa intermediária, a Precisa Medicamentos, com preço mil vezes maior que o valor do custo anunciado há seis meses pelo laboratório indiano responsável pela produção das doses (1,34 dólar). Em relação à Pfizer, o governo ignorou por cerca de onze meses as inúmeras tentativas da empresa de vender as vacinas ao país. Já no tocante à Covaxin, esse tempo não chegou nem a cem dias e o valor de aquisição é de quatro vezes o pago pelos imunizantes de outros fornecedores, ficando em torno de R$ 80. E tem  mais aberrações: essa empresa que intermedeia o negócio faz parte de um grupo que já negociou com o MS e não entregou os remédios contratados, no valor de R$ 20 milhões, ou seja, é inidônea. Será que o agravamento do mau humor do Capitão Cloroquina, que anda tão irascível e afetado, tem a ver com a descoberta dessa sigilosa negociata em que se estava armando um grande golpe contra os cofres públicos? A CPI está cumprindo seu papel, para desespero da escumalha bolsonarista.

643 – VULGAR E COVARDE. Jair Bolsonaro, infrator contumaz das medidas sanitárias, agrediu verbalmente a repórter Laurene Santos, da TV Vanguarda (SP), afiliada da Rede Globo, além de insultar a emissora por ela denunciar seus malfeitos. Interessante é que esse poltrão não teve essa valentia quando foi assaltado, estando ele armado, no Rio de Janeiro. Por pouco não levou um chute no traseiro. Esse é o mito do rebanho descerebrado, vulgar, covarde e miliciano honorário.

642 – SEM GÁS. Diante do preço escorchante do botijão de gás, que hoje está em torno de R$ 100, o que se vê é que com a privatização da Liquigás, subsidiária da Petrobras, ao contrário do que afirmou o ministro achista Paulo Guedes, o preço da unidade de 13 quilos não caiu pela metade, mas aumentou absurdamente. E nem dá para acusar os governos estaduais, como fazem os bolsonaristas, uma vez que o ICMS, na média é de 15% e não cerca da metade do valor, como anda sendo divulgado por meios inidôneos, e, em cada R$ 100, distribuição e revenda embolsam R$ 36. A mesma falsa promessa está sendo feita em relação à privatização da empresa nacional de energia elétrica, a Eletrobras. Quem se candidata a acreditar?

641 – IMPRENSA INTERNACIONAL. Jair Bolsonaro costuma atribuir à imprensa do país o noticiário negativo sobre seu governo, como se ela não se restringisse a informar fatos. Chega até a dizer que a cobertura é contrária porque muitos veículos perderam verbas, asneiras que são repetidas por seus papagaios de presépios. Contudo, sua lógica tosca não explica que também a imprensa internacional o critique de forma contundente, como ocorreu agora quando o país atingiu a triste marca de meio milhão de mortos pela Covid-19. Essa tragédia foi destaque nos jornais britânicos The Independent e The Guardian, na BBC, no espanhol El País, no jornal The Times of Israel, no americano The Washington Post, no jornal argentino El Clarín e em muitos órgãos de imprensa ao redor do mundo. Só falta Bolsonaro alegar que também esses meios de comunicação deixaram de receber verbas governamentais e por isso estão se voltando contra ele. Na teoria da conspiração, cabe até a terra plana. 

Leia os itens anteriores nos linques abaixo:
https://www.landrooviedo.com/blog.php?idb=58731 (De 340 a 640)
https://www.landrooviedo.com/blog.php?idb=55291 (De 1 a 339)

 


Publicado por Landro Oviedo em 21/06/2021 às 00h13
 
29/05/2021 16h30
POPULAR, IMPAGÁVEL E CHEIO DE HISTÓRIAS

     Leia clicando abaixo a matéria sobre o poeta, cantor, compositor e declamador Mario Cezar Castro.

https://rl.art.br/arquivos/7267003.pdf

 


Publicado por Landro Oviedo em 29/05/2021 às 16h30
 
27/05/2021 12h35
REGISTRO DA IMPRENSA DE ITAQUI SOBRE HOMENAGENS A RUI BARBOSA

     O livro, publicado pela Biblioteca Municipal de Itaqui em homenagem ao centenário de nascimento de Rui Barbosa, no seu fechamento, traz o seguinte registro, efetuado pelo saudoso jornal O Município de Itaqui.
Registro da Imprensa
     O jornal local, o Município de Itaqui, em sua edição de 12 de novembro de 1949, publicou o seguinte:
     As homenagens prestadas à memória de Rui Barbosa, pela cidade de Itaqui, sob os auspícios da Biblioteca Pública, por ocasião de seu nascimento, patentearam o fervoroso culto voltado ao grande brasileiro pelos itaquienses.
     Assim é que, cumprindo o programa de antemão traçado e ao qual nos reportamos em o número 589 deste jornal, as referidas homenagens tiveram o seguinte desenvolvimento.
Concurso de redação dos alunos do colégios primários
     Fizeram-se representar os seguintes educandários: G. E. Osvaldo Cruz, G. E. Aureliano Barbosa, Colégio Sagrado Coração de Jesus e o Instituto Itaquiense, sagrando-se vencedora a aluna Walkiria Silveira, aluna do 5º ano do Colégio Sagrado Coração de Jesus, e conquistando o 2º lugar o aluno Renato Zanella, do 5º [ano] primário do G. E. Osvaldo Cruz.
Comemorações nas escolas e no 1° R. C.
     Discorrendo sobre a vida e a obra do eminente brasileiro produziram-se notáveis conferências, pela manhã do dia 4, nos colégios locais e no 1° R. C., os seguintes cidadãos:
     No Ginásio Santa Tereza de Jesus — o tenente Washington Bermudes; no Instituto Itaquiense — o doutor Laurentino Cunha; no G. E. Osvaldo Cruz — o doutor Otoni M. Piffero; no G. E. Aureliano Barbosa —o doutor Edgard Mondadori; no G. E. Tito Corrêa Lopes — o senhor Reynaldo Mendes da Fonseca; e finalmente, no 1° R. C., — o senhor doutor Osvaldo P. Degrazia.
Sessão Cívica
     À noite teve lugar, no Teatro Przewodowski, que se achava artisticamente ornamentado e literalmente cheio, a solene sessão cívica.
     Aberta a sessão pelo senhor doutor Otoni M. Piffero, presidente da Biblioteca Pública, convidou para fazerem parte da mesa as seguintes pessoas: doutor Togo Lima Barbosa, prefeito municipal; doutor Osvaldo P. Degrazia, presidente da Câmara dos Vereadores; doutor Roque Degrazia, cônsul do Brasil na vizinha cidade de Alvear; senhor Emilio Martinez, vice-cônsul da Argentina nesta cidade; senhor doutor Alvaro de Moraes, promotor de Justiça; reverendo padre Thiago Kieling, vigário da paróquia, que não compareceu; senhor tenente José de Oliveira Macedo, comandante do destacamento da Brigada Militar, aqui sediado; senhor coronel Eurico Ribeiro Torgo, comandante do 1° R. C., que não compareceu; doutor Dinarte M. Pinto, vice-prefeito; senhor tenente Washington Bermudes; senhora Edy Krause, representando o G. E. Osvaldo Cruz; senhorita Leocadia Monteiro, representando o Ginásio Santa Tereza; a menina Walkiria Silveira, aluna vencedora do concurso de redação; senhor Armando Beux, pastor metodista; senhorita Hilda Silva, secretária da Biblioteca Pública, e, finalmente, o senhor doutor Ruy Ramos, orador oficial da solenidade.
     Após o que, o senhor presidente da Biblioteca Pública passou a presidência dos trabalhos ao senhor doutor Togo Lima Barbosa, prefeito municipal, que convidou a assistência para entoarem o hino nacional.
     O primeiro orador que se fez ouvir foi o senhor doutor Dinarte M. Pinto, dissertando belamente sobre a notável ação jurídica do ilustre homenageado.
     A seguir, em nome de suas colegas do G. E. Osvaldo Cruz, a professora Edy Krause leu uma comovente "Mensagem a Rui".
     Em continuação, a menina Walkíria Silveira, aluna do 5º ano primário do Colégio Sagrado Coração de Jesus, procedeu à leitura do seu trabalho , classificado em 1° lugar no Concurso de Redação instituído pela Biblioteca Pública, após o que, a convite do presidente da mesa, o senhor Otoni M  Piffero fez entrega do prêmio conquistado pela referida aluna.
     A seguir, o tenente Washington Bermudes demonstrou seus invejáveis dotes oratórios com o seu magnífico trabalho — uma admirável invocação a Rui.
     Logo após, a menina Maria Leocadia Monteiro, aluna da 4ª série do Ginásio Santa Tereza, leu interessante trabalho de sua lavra. 
     Finalmente, o orador oficial, doutor Ruy Ramos, pronunciou uma conferência na qual, com grande eloquência, dissertou brilhantemente sobre a vida de Rui Barbosa, sua ação fulgurante no cenário nacional e mundial e sobre a fonte inesgotável de ensinamentos que foi, que é e será sempre a vida do grande brasileiro.
     Encerrando a sessão, o doutor Togo Lima Barbosa congratulou-se com os presentes pela cordial acolhida que souberam dar à iniciativa da Biblioteca Pública de Itaqui, isto é, a de reverenciar a memória de Rui Barbosa.

Nota: com ortografia atualizada e negritos pelo autor da postagem.


Publicado por Landro Oviedo em 27/05/2021 às 12h35
 
03/05/2021 19h52
DA SÉRIE "PRESTIGIANDO OS ARTISTAS GAÚCHOS" (ELTON SALDANHA)

Depois da minha publicação nas redes sociais, recebo um retorno ímpar do meu conterrâneo Elton Saldanha:

É um domingo de maio
E mateio desde cedo
E vejo no Facebook
Discos de buenos recuerdos
Mil gracias pela homenagem
Meu amigo, Landro Oviedo!

Três discos da minha lavra
São LPs dos antigos
Trazendo a primeira tropa
De sonhos que ainda persigo
Cantigas que se fazia
Para compartir com os amigos

O primeiro foi caborteiro
Depois o diário de Porto Alegre
Aí veio Aldebarã
Noite adentro de alma leve
E pelos bolichos do pago
A cantoria prossegue.

Landro Oviedo, tu conheces
Muito bem minha trajetória
Somos lá do Itaqui Viejo
Da chacra de antigas glórias
Nestes três discos aparece
O começo da minha história!

"GRACIAS PELA DISTINÇÃO, MEU AMIGO!"


Publicado por Landro Oviedo em 03/05/2021 às 19h52
 
30/04/2021 17h12
TAXA TRANSPORTE: PARA BARATEAR A TARIFA DOS COLETIVOS

     Quem guarda tem. Talvez muito pouca gente se lembre desta proposta enviada à Câmara Municipal pelo então prefeito Olívio Dutra de Porto Alegre para baratear o valor da tarifa do transporte público. Na época, o forte lobby das empresas em geral impediu a aprovação. Não seria o momento de reapresentá-la?



Publicado por Landro Oviedo em 30/04/2021 às 17h12



Página 1 de 125 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [próxima»]


"A VIDA É BELA. QUE AS FUTURAS GERAÇÕES A LIMPEM DE TODO MAL, DE TODA OPRESSÃO E VIOLÊNCIA E A DESFRUTEM PLENAMENTE." (LEON TRÓTSKI)